Arquivo | novembro, 2012

Uma boa ideia para o Natal

28 nov

No ano passado, quando ví este passo a passo no blog In My Own Style, o Natal já tinha acontecido…

Amei tanto e achei tão criativo que guardei para compartilhar com vocês para este ano.

A ideia é muito simples e barata. Acredito que vocês irão gostar, principalmente as tricoteiras, para utilizarem suas agulhas com outra finalidade… (risos)

Mais ideias em: inmyownstyle.com

Boa quarta-feira! Beijos, beijos.

Maria F. Mazzer

Anúncios

De lá pra cá – em Amsterdam

27 nov

Tem pra todos!

Estou de volta! Embora meu note não tenha funcionado da maneira como eu pretendia, para fazer como eu gostaria, como falei no último post, cá estou para, aos poucos, contar um pouco das dicas por onde passamos.

Portanto, minha primeira dica é: se, definitivamente, você não vive sem um computador, certifique-se de que esteja levando o adaptador correto para usá-lo onde quer que você vá. (risos) Foi o que não aconteceu comigo… Dei mancada e fiquei sem, depois que a bateria acabou. Mas confesso que meu empenho para procurar um adaptador para comprar, foi mínimo. É, acho que vivo sem um computador. Mas não sem internet! (mais risos)

Mas vamos lá… Se você está indo ou pretende ir para Amsterdam de forma independente (all by yourself), deve aprender como se locomover. Primeiro, do aeroporto (Aeroporto de Schiphol – único da cidade) para o centro, claro! Óbvio que, seja lá de onde for, para onde quer que seja, o taxi é sempre uma opção. Mas pegar taxi lá, é o mesmo que pegar taxi em qualquer lugar do mundo, e dispensa explicações.

*Valor médio por uma corrida de taxi em Amsterdam (aeroporto – centro/ centro – aeroporto): € 40,00.

*Valor para fazer este trecho com metrô, por pessoa: € 4,50.

Se optar em usar o metrô, é muito simples. Existe uma estação dentro do aeroporto. Dirija-se à um guichê de venda de tickets e peça um ticket para a estação central da cidade (Amstedam Central Station). De lá, toma-se um trem, ou tram, como eles dizem, para perto do endereço desejado.

*Valor para uma corrida de tram, por pessoa: € 2,70.

*Valor para usar o tram por 24h/ ilimitado, por pessoa: € 7,50.

Na parte principal da cidade, interessante para o turismo, o metrô não chega. Mesmo quem pouco sabe sobre Amsterdam, já tem uma noção de que ela é composta por inúmeros canais, que impossibilitam a implantação de metrôs.

Mas, para onde o metrô não alcança, existe a opção dos trans, que citei acima. Fazem o mesmo efeito, são igualmente modernos, mas andam acima do solo.

Seja lá em qual tipo de transporte for (tram ou metrô), dificilmente alguém vai passar solicitando seu ticket. Isso não acontece apenas em Amsterdam, como em várias outras cidades européias. Claro que não estou me refrindo que você não deva pagar por ele. Estou apenas alertando sobre o procedimento, admirável, na minha opinião. Aí não tem como não comparar: “Imaginem se isso funcionaria aqui no Brasil…” (risos)

Amsterdam é uma cidade relativamente pequena (pouco mais de 750.000 habitantes), se comparada à outras capitais, e de fácil locomoção. Se conhece e aproveita-se muito mais se deixar a preguiça de lado e visitá-la a pé.

A estação central (Central Station) tem boa localização e dependendo de onde for seu hotel, talvez nem precise pegar um tram para ir até ele, na sua chegada. Fora isto, se o consaço bater, os trans são muito fáceis de serem utilizados e te levam para qualquer ponto de interesse.

Outro meio de locomoção que não tem como passar despercebido para quem vai à Amsterdam é, sem dúvida, a bicicleta. Gente, só estando lá para saber o quanto de bicicleta circula pela cidade diariamente. Para terem uma noção, os pedestres devem tomar o mesmo cuidado que tomam com os carros ao atravessar a rua. São muitas! E se você não tem tanta habilidade, nem se atreva! (risos) Agora, se você confia na sua direção, está aí um meio de transporte fantástico para desbravar a cidade.

Mas se você, assim como eu (garota de apartamento), acha que não vai dar conta de andar no meio da ‘muvuca’, minha dica é de alugar a bike para ir à lugares menos movimentados, como o Vondelpark, por exemplo. O Vondelpark é lindo, imperdível, no meio da cidade, mas muito grande e visitá-lo de bike é uma ótima ideia!

Quando vocês forem, irão se lembrar e quem já foi, sabe do que estou falando: em Amsterdam, quase todo mundo usa a bicicleta como principal meio de transporte. Seja para levar os filhos à escola, fazer compras, ir ao mercado, passear, trabalhar, enfim. Executivos bem arrumados, mulheres impecáveis, todos vão de bike! É lindo de ver! Que saudade…

*Valor médio/ dia, do aluguel de uma bike em Asmterdam: € 15,00.

Vondelpark

Vondelpark

Tipo estacionamento (risos)

*Língua oficial: neerlandês. Mas praticamente toda a população também fala inglês.

So, don´t worry. Be happy!

Feliz terça-feira! Beijos, beijos.

Maria F. Mazzer

Seja bem vindo!

3 nov

Um dos muitos belos canais – Amsterdam

Viajar é coisa de louco e na minha cabeça, vivencia-se muito mais, (para quem se atreve) aquele que se aventura em pegar um mapa e simplesmente, ir.

É difícil explicar para os outros o que é viver em outra parte do mundo, nem que seja por poucos dias, mas viver.

Viajar é como se fosse morrer aí, para então poder renascer aqui, nem que seja por poucos dias, mas é.

Não me canso de dizer: eu amo viajar! Quando eu era adolescente eu sonhava em ter um trabalho daqueles que se ganha para visitar o mundo e até então, acho que me sinto bem nesta ideia.

Hoje começou nossa viagem de duas semanas, na qual passaremos por Amsterdam (onde estamos agora), Paris e Turquia, onde faremos 3 cidades, que detalharei melhor no decorrer do caminho.

Como já disse aqui, esta não é a minha primeira vez em Amsterdam e foi hoje também que eu descobrí que retornar pode ser ainda melhor, pois parece que tudo flui de forma muito mais calma, descompromissada.

Quem me conhece sabe, que há 5 anos eu fiz uma viagem de 2 meses pela Europa, passando por 14 países e 24 cidades. Até hoje, considero esta experiência como uma das mais marcantes da minha vida.

Na época, tinha como companhia: meu irmão querido que eu amo e mais um casal de amigos nosso. Resumindo: éramos em 4 (2 homens e 2 mulheres), e a viagem (exatamente os 61 dias) deu extremamente certo. Para provar, temos tudo relatado, conforme os fatos foram acontecendo (a proposta era que cada dia, um escrevesse, mas no final acabava sobrando mais pra mim – risos) e até hoje sonhamos com a possibilidade destas páginas virarem livros, mesmo sem nunca termos ido atrás! (mais risos)

No momento, a situação é um tanto quanto diferente. Tenho como companhia: meu maridão lindo, vulgo Baba, para os mais chegados, e sem entrar em mais detalhes, o que quero dizer é que desta vez vou tentar fazer o mesmo, mas nâo em folhas de papel. Vou tentar expressar aqui, para vocês poderem acompanhar daí, e mais que isto, deixar registrado em posts, dicas e imagens legais, que um dia poderão ser uteis, a quem possa se interessar.

Gostou da ideia? Pois bem, seja bem vindo!

Maria F. Mazzer

%d blogueiros gostam disto: